quarta-feira, 29 de agosto de 2007

CRISE? QUAL CRISE...

Embora muitos o queiram negar, continuam a avolumar-se os sinais negros para as economias mundiais enquanto se aguardam as decisões do FED e do BCE quanto às suas taxas directoras. Não só os principais índices bolsistas mantêm uma tendência de queda como se sucedem as notícias nos jornais da especialidade dando conta da reduzida exposição aos activos de maior risco dos principais bancos mundiais, o que pode confirmar indirectamente o que todos receamos – a crise iniciada no mercado hipotecário norte-americano é mais profunda do que se pretende fazer crer – porque na realidade pouca gente (ou mesmo ninguém) tem uma real noção do seu nível de exposição, uma vez que a principal característica dos mercados financeiros actuais é a de uma profunda interdependência, tanto mais real e justificável quanto essa é a principal essência da regra da distribuição do risco e do funcionamento dos mercados de capitais.

Os sinais de preocupação que são por demais evidentes, quer quando se analisa o comportamento da economia norte-americana (cujo PNB medido em euros apresenta evidentes sinais de quebra[1]) quer quando se constata a sua forte dependência da importação de capitais, têm vindo a ser denunciados por muitos analistas e as indispensáveis medidas correctoras tardam em surgir.

Tudo isto pode ser confirmado por uma simples observação do comportamento do índice Dow Jones nos últimos 180 dias, que confirma uma evidente tendência para a queda, que se iniciou em meados de Julho e que nem algumas aparentes recuperações pontuais conseguem atenuar. Por muito que os intervenientes nos mercados procurem minimizar os efeitos, eles estão cada vez mais evidentes e, recomendam todos os manuais de investimento, parece confirmar-se que chegou o momento de enfrentar um novo ciclo. Como dizem os especialistas do mercado de capitais, parece chegada a época do “urso”[2].

Além das há muito conhecidas críticas sobre a actuação das agências de rating, repetidas até à exaustão aquando dos crashs bolsistas originados pelos excessos de confiança (e de especulação) sobre as economias sul-americanas e asiáticas e pela falência da ENRON, economistas norte-americanos apontam hoje para a necessidade de repensar a estratégia que conduziu a esta situação. Num artigo publicado no FINANCIAL TIMES, Charles W Eliot, professor na Universidade de Harvard, sublinha que «...os padrões de crédito no mercado hipotecário de maior risco (subprime) foram demasiado baixos durante demasiado tempo. Agora, à medida que os mutuários enfrentam um acréscimo de custos devido à subida das taxas de juro, não será o momento adequado para que as autoridades monetárias se mostrarem dogmáticas e desencorajarem o fornecimento de crédito».

Bem podem agora os tradicionais apologistas dos mercados de capitais vir à liça, como o faz o DIÁRIO ECONÓMICO que hoje publicou, com chamada na primeira página, uma entrevista com Ricardo Reis, professor na Universidade de Princeton a passar férias em Portugal que afirma bombasticamente que «num mês não se falará nesta crise do crédito» e que não lhe «…parecem suficientes [as notícias na economia real durante as últimas semanas, sobretudo as relativas ao mercado à habitação norte-americano] para causar uma alteração [pelo que mantém] a previsão de que o BCE suba as taxas de juro uma ou duas vezes até ao fim do ano e o FED não as desça». Baseia-se na sua profunda convicção de que o período que atravessamos represente apenas uma crise de liquidez e não uma crise financeira, mas sempre vai concluindo o seu raciocínio dizendo que um «…grande senão é se a actual crise de liquidez se transforma numa crise financeira. Aí, tudo é possível». Não fora o entrevistado um convicto seguidor de Milton Friedman e das teorias monetaristas, e talvez desse mais atenção a outros indicadores além do M1[3] e a outras variáveis além da inflação, não necessitando de terminar desdizendo o que dissera no início.

Para se fazer uma ideia mais correcta da situação e de que o anúncio de que a crise originada no mercado subprime é apenas a ponta actualmente visível de um iceberg de muito maiores proporções e que as tentativas de minimização estão condenadas ao fracasso leia-se esta outra notícia do FINANCIAL TIMES que dá conta de um grande aumento no nível de incumprimento no mercado do crédito automóvel. Segundo aquele jornal, as empresas emprestadoras naquele sector viram o incumprimento aumentar 30% no primeiro semestre deste ano .

Tudo isto mais não faz que confirmar o que autores como Richard C Cook vêm defendendo há algum tempo – o crédito precisa ser entendido como um bem público – enquanto lança o debate sobre a necessidade de uma nova política monetária que contribua para ultrapassar a situação.
__________
[1] Ver o post A MÃO INVISÍVEL
[2] Em inglês urso diz-se bear e no mercado de capitais a expressão “bear market” designa um período de quebra nas cotações, por oposição à expressão “bull market” que assinala um período de subida. Esta analogia resulta de particularidades linguísticas próprias do inglês mas também reflecte muito a postura dos dois animais em causa – o urso mais contido e o touro mais impetuoso.
[3] Agregado monetário, constituído pela moeda em circulação, os cheques de viagem, os depósitos à vista e outros depósitos, comummente utilizado pelas autoridades monetárias (bancos centrais) para avaliar os níveis de liquidez das respectivas economias.

3 comentários:

antonio ganhão disse...

Eu deslocado no meu próprio tempo, lamento que o meu bem estar não dependa do meu trabalho, de ser um bom cidadão, mas das loucuras especulativas de quem não tem escrúpulos.

É preciso fazer uma revolução!

A Xarim disse...

Tem absoluta razão, meu caro antónio, mas o primeiro passo tem que ser uma evolução de ideias!

Nadia Albert disse...

Olá pessoal, eu sou Patricia Sherman atualmente em Oklahoma EUA. Gostaria de compartilhar minha experiência com vocês sobre como consegui um empréstimo de US $ 185.000,00 para limpar meu saque bancário e iniciar um novo negócio. Tudo começou quando eu perdi minha casa e meus pertences devido ao saque bancário que levei para compensar algumas contas e algumas necessidades pessoais. Então, fiquei tão desesperado e comecei a procurar fundos de todas as maneiras. Felizmente para mim, uma amiga minha, Linda me contou sobre uma empresa de empréstimos, fiquei interessada, embora estivesse com medo de ser enganada, fui compelida pela minha situação e não tive escolha senão procurar aconselhamento do meu amigo sobre essa mesma empresa entrar em contato com eles realmente me fez duvidar devido à minha experiência anterior com credores on-line, mal conhecia essa empresa '' Elegantloanfirm@hotmail.com Esta empresa tem sido de grande ajuda para mim e para alguns dos meus colegas e hoje sou uma O orgulhoso proprietário de negócios e responsabilidades bem organizados é bem tratado, graças a esta empresa de empréstimos por colocar o sorriso no meu rosto novamente. Então, se você realmente precisa de um empréstimo para expandir ou iniciar seu próprio negócio ou em qualquer forma de dificuldade financeira, eu recomendo que você dê hoje à elegantloanfirm a oportunidade de elevação financeira do seu negócio hoje ... entre em contato através do. .. {Email:} Elegantloanfirm@hotmail.com ... não é vítima de fraude on-line em nome da obtenção de um empréstimo. obrigado